sábado, 30 de janeiro de 2016

Conheça a Cozinha Mexicana

Para compreender a essência da cozinha mexicana devemos voltar ao passado, quando a região onde hoje é o México, era habitada pelos astecas. Este povo tinha uma alimentação baseada em ingre­dientes desconhecidos na Europa: milho, feijões, pimenta, tomate, abóbora, entre outros. Com a chegada dos espanhóis, no século 16, houve uma fusão das receitas astecas baseadas nestes ingredientes e a cozinha dos colonizadores espanhóis, re­pleta de pratos de carne temperados com diversas especiarias e outros temperos como a cebola. Da fusão destas duas cozinhas surgiu a culinária mexicana.

Há dois pratos que simbolizam a fusão desses dois povos: a tortilla recheada de carne com mole e os tacos. O mole é um ensopado de frango, peru ou porco. Uma espécie de guisado. O guisado apareceu com os espanhóis. Segundo a lenda, o mole foi criado por frei Pascal no convento de Puebla. Ele estaria nervoso com a chegada de uma autoridade e com a desordem na cozi­nha, começou a recolher os ingredientes para guardá-los, mas tropeçou, e tudo caiu dentro da panela em que se cozinhava o peru. Sem tempo de preparar outra comida, o guisado foi servido e fez o maior sucesso. Atualmente cada região mexicana tem um tipo de mole. Os primeiros tacos surgiram quando o coloniza­dor espanhol Fernão Cortez conquistou o México. Ele quis come­morar com um banquete a base de carne de porco trazida da Espanha, mas não havia pão, sendo a carne enrolada em tortilhas, dando origem aos primeiros tacos.

Entre os ingredientes desconhecidos na Europa estava o milho, o qual constitui a base da gastronomia mexicana. É o ingre­diente das tortillas – disco de massa de milho, que aparece como acompanhamento ou envolvendo recheios saborosos.  Quando as tortilhas são cortadas em quatro e fritas, passam a se chamar nacho ou totopos. Dobradas ao meio, recheadas com carne e regadas com molho picante vira enchilada. Recortada em discos menores e fritos, sendo colocados ingredientes encima, é a tostada e ao ser enrolada com recheios como uma panqueca, passa a ser denominada de taco. A tortilla amanhecida, cozida em molho de queijo e creme de leite é o chilaquile. Estas delícias quando servidas como entradas são chamadas de antojitos.

Na culinária mexicana são utilizados diversos tipos de pimentas, sendo denominadas chiles. Eles surgem secos, em pó ou frescos para serem servidos crus, cozidos, ensopados, recheados, picados, empanados ou fritos. Os feijões são igualmente populares e aparecem em caldo e em forma de purês, quando são chamados de frijoles refritos.

A fama da cozinha mexicana se deve, principalmente, aos pratos pre­parados no Centro e no Sul do país, onde as tradições nativas e as novidades europeias se fundiram com extrema harmonia. Em Puebla, o prato-estrela é o mole de Puebla. Na Cidade do México, capital do país, pode-se degustar grande parte das receitas regionais. Em Jalisco, estado em que se produz a tequila, as receitas mais famosas são o pozole – sopa de carne com grandes grãos de milho – e os camarões preparados na tequila.

Se você leu o Livro "À procura da felicidade", deve saber que quando tive meu insight e minha visão de futuro, vendo-me trabalhando com gastronomia até o resto de minha vida, descobrindo, portanto, meu talento, dei início a pesquisas sobre o tema e criei uma série de “Apostilas” que foram meus primeiros estudos sobre gastronomia. 

Pois bem! Este E-Book é a "Apostila Coquetéis", a qual fala, obviamente, sobre “Coquetéis”. A apostila contêm o teor original de quando foi criada por mim em meu início de carreira, incluindo a capa, que apresenta o logotipo que teria meu primeiro restaurante, mas que não foi utilizado, pois decidi mais tarde pelo nome “Dupaolo”, como descrito em meu livro.

Nesta Apostila você vai encontrar: 

Histórico e utilidade dos coquetéis;
Tipos de coquetéis;
Equipamentos necessários para preparar coquetéis;
Bebidas que podem ser utilizadas para preparar coquetéis;
Calorias das bebidas;
Decoração para o preparo de coquetéis;
Tipos de copos;
Coquetéis clássicos mais famosos;
Receita e história dos principais coquetéis oficiais.

Seja para você que deseja aprender para degustar em casa com seus amigos, ou para você que deseja se profissionalizar nesta área, este E-Book será um ótimo aliado para seu aperfeiçoamento! 


Leia Também: 

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Salada Tropical

INGREDIENTES
1 pé de alface americana
1 maço pequeno de rúcula
1 x. (chá) de cenoura ralada
repolho branco e roxo ralados
1 xícara (chá) broto de alfafa
1/2 xícara (chá) passas
1 manga em tiras
1 kiwi em rodelas
Molho de mostarda a gosto

Para o molho de mostarda
1/2 xícara (chá) de limão ou vinagre
1 xícara (chá) de azeite
1 xícara (chá) de mostarda
3 colheres (sopa) de molho inglês
1 colher (sobremesa) de açúcar
1 xícara (chá) creme de leite
Sal a gosto

MODO DE PREPARO

Molho de Mostarda: Misture todos os ingredientes, menos o creme de leite e bata no liquidificador. Quando estiver bem batido, acrescente o creme de leite e bata novamente. Se quiser um molho mais líquido, acrescente 1/2 xícara (chá) de água.

Clique aqui e cadastre-se para receber novidades por e-mail

Montagem: Numa saladeira ou em um prato de sua escolha, monte a salada como preferir, ou siga esta sugestão: alface americana, rúcula, cenoura ralada, repolho roxo e o branco, broto de alfafa, uvas passas, batata palha, manga, kiwi e tempere com o molho de mostarda.

HISTÓRICO DO PRATO

A salada tropical é uma combinação de ingredientes salgados e doces, que é perfeita para as altas temperaturas da estação nas regiões tropicais. A rúcula, também chamada de mostarda persa, é uma hortaliça originária de regiões próximas ao Mediterrâneo. A mesma era muito utilizada no Império Romano como afrodisíaco. Atualmente, a rúcula é muito popular na Itália, sendo empregada em vários pratos típicos italianos. No Brasil, é mais consumida nos Estados da região sul. Quando cultivada durante os meses frios, possui sabor mais picante. Quando o cultivo é realizado em épocas mais quentes, tem sabor forte e amargo.


Se você leu o Livro "À procura da felicidade", deve saber que quando tive meu insight e minha visão de futuro, vendo-me trabalhando com gastronomia até o resto de minha vida, descobrindo, portanto, meu talento, dei início a pesquisas sobre o tema e criei uma série de “Apostilas” que foram meus primeiros estudos sobre gastronomia. 

Pois bem! Este E-Book é a "Apostila Coquetéis", a qual fala, obviamente, sobre “Coquetéis”. A apostila contêm o teor original de quando foi criada por mim em meu início de carreira, incluindo a capa, que apresenta o logotipo que teria meu primeiro restaurante, mas que não foi utilizado, pois decidi mais tarde pelo nome “Dupaolo”, como descrito em meu livro.

Nesta Apostila você vai encontrar: 

Histórico e utilidade dos coquetéis;
Tipos de coquetéis;
Equipamentos necessários para preparar coquetéis;
Bebidas que podem ser utilizadas para preparar coquetéis;
Calorias das bebidas;
Decoração para o preparo de coquetéis;
Tipos de copos;
Coquetéis clássicos mais famosos;
Receita e história dos principais coquetéis oficiais.

Seja para você que deseja aprender para degustar em casa com seus amigos, ou para você que deseja se profissionalizar nesta área, este E-Book será um ótimo aliado para seu aperfeiçoamento! 


Leia Também: 

Como preparar a salada Waldorf

Como utilizar a salsa

Como analisar suas atitudes e gostos do passado pode revelar seu talento


Gostou? Então deixe o seu


 Comentário abaixo :-)


quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Receita de Alfajor

COZINHA ARGENTINA 

Ingredientes:

05 colheres (sopa) margarina
½ xícara (chá) açúcar
02 ovos
1 ½ xícara (chá) trigo
2 xícaras (chá) amido de milho
01 colher (chá) fermento em pó
Raspas de limão à gosto
500 g de açúcar de confeiteiro
500 g de doce de leite pastoso

Modo de preparo: Leve a batedeira a manteiga, o açúcar, os ovos e as raspas de limão. Bata até misturar. Desligue a batedeira e junte o trigo, o amido de milho e o fermento. Bata novamente até dar o ponto. Retire da batedeira, embrulhe em papel filme e leve a geladeira, deixando por 40 minutos. Polvilhe a bancada com açúcar de confeiteiro, coloque a massa encima e polvilhe mais açúcar sobre a massa. Abra a massa com o rolo até ficar com ½ cm de espessura. Corte a massa com um disco cortador de 8 cm. Polvilhe uma forma com açúcar de confeiteiro, arrume os discos de massa e leve ao forno pré-aquecido por 15 minutos a 250º C. Retire e deixe esfriar. Adicione o doce de leite no lado sem açúcar da bolacha e junte a outra bolacha, com o lado com açúcar para fora e aperte bem. Se preferir, passe as laterais pelo açúcar de confeiteiro e mergulhe no chocolate derretido. Espere endurecer o chocolate e sirva.

Clique aqui e cadastre-se para receber novidades por e-mail

História do prato: A história do alfajor começa com as origens da cozinha árabe. Seu verdadeiro nome é “alhasú” e significa recheado. Chegou à Espanha no ano de 711 e em 1896 ganhou o formato redondo que tem hoje, passando a ser produzido na Argentina por influência dos espanhóis, mas também para aproveitando da grande produção nacional de leite, uma vez que o doce de leite é seu principal recheio.  

Esta receita está presente em meu livro"À procura da felicidade".

A idéia de escrever um livro descrevendo minha trajetória em busca da felicidade e os passos que segui para atingir o sucesso profissional e financeiro não é recente. Ela vem desde quando iniciei outros projetos, nos quais achava que teria sucesso profissional e financeiro, contudo fracassei, ou, por outro lado, aprendi algo muito importante: para ter sucesso profissional e financeiro e ser feliz, em primeiro lugar, deve-se fazer aquilo que se gosta e não tentar buscar metas só porque dizem que você deve ter um objetivo na vida. Era o que ocorria com os meus projetos anteriores.


Mas como você pode descobrir o que gosta e aceitar que aquilo que você tem o faz feliz? Como você pode ter certeza se o que você está gostando neste momento não vai passar e você voltará a uma procura que parece não ter fim? De que forma reter o que você conquista sem medo de perder? Como surge o “insight”, onde você se torna capaz de entender seus problemas e finalmente encontrar uma solução, descobrindo o que deseja fazer pelo resto de sua vida? Afinal, existe realmente algo que as pessoas possam desejar fazer pelo resto de suas vidas, ou tudo depende do momento em que se vive? São questões como estas que procuro responder neste livro, descrevendo minha trajetória em busca da felicidade e os passos que segui rumo ao sucesso profissional e financeiro.

Você perceberá que minhas estratégias funcionaram para mim e poderá aplicá-las em sua vida, se sucesso profissional e financeiro e felicidade é o que você procura, porque convenhamos, existem pessoas que vivem sem objetivos na vida e aceitam que a felicidade é impossível de atingir. Apenas vivem o dia-a-dia sem se importar com estas questões. Contudo, quero enfatizar que não estou criticando estas pessoas, pois cada um tem o direito de fazer da vida o que bem entender.

Houve uma época em que pensei que viveria melhor assim – sem objetivos e vivendo sem realizações – pelo menos não sofreria frustrações. Ainda bem que só pensei. É que tinha um amigo que vivia assim e parecia contente, ao menos parecia.

Também existem pessoas que têm sonhos, mas não estão dispostas a transformá-los em objetivos. Sonhos são coisas que a pessoa deseja, mas não exigem uma busca contínua pelos mesmos. Por outro lado, objetivos tem prazos determinados para serem atingidos. Sonhos não envolvem comprometimento, sendo coisas que as pessoas desejam, mas não sabem se vão realizar. O fato de não saber se vão realizar pode as tornar infelizes. Quantas vezes você já ouviu alguém dizer “é o meu sonho”, mas permanecem estáticas. 

O tempo passa, e algum dia elas vão olhar para traz e pensar que já é tarde para correr atrás de seus sonhos e isso poderá lhes trazer tristeza e resignação. Algumas pessoas não transformam seus sonhos em objetivos, por que têm medo de pagar o preço, achando que será muito alto e não conseguirão atingir. Para atingir nossos objetivos, precisamos acreditar de verdade que temos o poder de conseguir a vida que desejamos e ser plenamente felizes.

Precisamos acreditar de verdade que somos donos de nosso destino. Algumas pessoas acreditam em destino e outras não, mas, se existe destino, precisamos acreditar que nosso destino é ser, ter e nos sentirmos exatamente como desejamos, nada menos que isso, pois merecemos o melhor em todos os aspectos da vida. Mostrarei neste livro que todos podem atingir o sucesso profissional e financeiro e ser feliz, pois cada um tem o seu jeito de chegar lá e a sua noção pessoal de felicidade e sucesso.

Já ouvi dizer que a felicidade é como uma cenoura pendurada por um fio e amarrada em nosso corpo e com algum esforço podemos dar uma mordidinha ora ou outra. Contudo, a cenoura continua, na maior parte do tempo, inacessível e nos fazendo correr atrás dela sem muito sucesso.

Na verdade, não há uma fórmula para a felicidade, pois cada um tem a sua maneira de reagir conforme as situações que surgem na vida, mas existem alguns princípios e conquistas que grande parte da humanidade almeja.

Podemos citar entre estas conquistas o fato de que a grande maioria das pessoas deseja ter uma casa própria, um carro e um bom emprego ou fonte de renda que lhe permita manter estes bens, bem como usufruir de segurança, educação e lazer.

Acredito que existe diversos tipos de sucesso que uma pessoa pode atingir e que a faz feliz, como o sucesso na família, nos relacionamentos, em seu bem-estar, mas, convém ressaltar, antes do início da leitura, que sempre que o leitor encontrar a palavra “sucesso” no decorrer deste livro, diz respeito ao sucesso profissional e financeiro.

Você pode adquirir meu livro clicando neste link: Livro "À procura da felicidade".

Você pode gostar também dos seguintes artigos: 


Como manter a paixão pelo que fazemos

Como as ervas aromáticas podem mudar o visual de seus pratos

Gostou? Então deixe o seu



 Comentário abaixo :-)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Química dos Alimentos - Aditivos Nutricionais e Agentes Processantes

A incrementação nutricional dos alimentos teve início em 1924, quando, nos EUA, o iodo foi adicionado ao sal de cozinha, numa tentativa de inibir o bócio. Vitaminas são comumente adicionadas a muitos alimentos: as vitaminas D são adicionadas a cereais, macarrão e a vitamina C é adicionada a bebidas e confeitos. Além destes, aditivos como óleos essenciais (ácido linoléico), minerais (ferro e cálcio) e fibras diéticas são também empregados.

Um grande número de substâncias químicas é adicionado aos alimentos durante o processo de fabricação. Entre eles estão os emulsificantes, que são utilizados para manter uma dispersão uniforme de um líquido em outro, tal como óleo e água. A estrutura química de um agente emulsificante, em geral, inclui uma porção hidrofóbica (tal como uma longa cadeia alquílica) e uma parte hidrofílica (iônica ou polar). 

São, na verdade, surfactantes: a porção hidrofóbica do agente se dissolve no óleo e a hidrofílica na fase aquosa, formando uma dispersão de micro-gotas. Estas substâncias são usadas em emulsões (maionese), para facilitar a dispersão de aromatizantes hidrofóbicos, prevenir a formação de cristais de gelo em produtos congelados (sorvete), e melhorar o volume e uniformidade de produtos assados.

Por sua vez, os estabilizantes e expessantes tem muitas funções nos alimentos. A grande maioria é formada por polissacarídeos, como amido, ou ainda por proteínas, tais como a gelatina. A principal função é aumentar a viscosidade do produto final, bem como estabilizar emulsões. A formação e estabilização de espuma em vários produtos também é um efeito destes aditivos.

Os agentes quelantes (ou sequestrantes) protegem os produtos de muitas reações enzimáticas que podem promover a deterioração durante o processamento e estocagem. Estas substâncias se ligam a muitos dos minerais presentes nos alimentos (íons cálcio e magnésio) que são requeridos como co-fatores para a atividade enzimática de certas proteínas. Um dos compostos mais utilizados para este fim é o EDTA - ácido etilenodiaminotetracético.

Além destes agentes processantes, existem os humectantes, que mantém o alimento úmido e macio. No côco ralado, por exemplo, é adicionado glicerina. Nos marshmallows, adiciona-se monoestearato glicérico.

Este conteúdo faz parte de uma apostila de minha autoria denominada "Química de Alimentos".

Se você leu o livro “À Procura da Felicidade” do Chef Paulo Carvalho, deve saber que quando ele teve seu insight e sua visão de futuro, vendo-se trabalhando com gastronomia até o resto de sua vida, descobrindo, portanto, seu talento, deu início a pesquisas sobre o tema e criou uma série de “Apostilas” que foram seus primeiros estudos sobre gastronomia.

Pois bem! Este E-Book é uma destas apostilas, a qual fala sobre “Química dos Alimentos”. Claro que o conhecimento profundo sobre a química dos alimentos não é uma atribuição de um chef de cozinha, mas o Chef decidiu que deveria aprender sobre o assunto para melhor entender os processos químicos que ocorrem na preparação dos alimentos.

Nesta Apostila você vai compreender melhor componentes dos alimentos como:

Carboidratos;
Proteínas;
Lipídeos;
Sais minerais;
Vitaminas;
Pigmentos;
Aditivos;
Métodos de conservação dos alimentos; e
Microorganismos úteis, deteriorantes e patogênicos.

Com certeza trata-se de um material que vai lhe ajudar muito a aprender mais sobre este intrigante mundo, que é a química dos alimentos. Seja para você que deseja aprender mais, para cozinhar melhor para seus amigos e família, ou para você que deseja se profissionalizar, este E-Book será um ótimo aliado para seu aperfeiçoamento!

Esta série de Info-Produtos é composta pelas demais apostilas:

Propriedades dos Alimentos II, dando um total de treze apostilas.

As apostilas contêm o teor original de quando foram criadas pelo Chef, incluindo a capa, que apresenta o logotipo que teria seu primeiro restaurante, mas que não foi utilizado, pois decidiu mais tarde pelo nome “Dupaolo”, como você pode ver, conforme texto retirado de seu livro, o qual afirma que: “Neste mesmo instante, já defini o nome do restaurante – Chardonié – nome associado a uma uva bastante conhecida no mundo inteiro. Elaborei também, na mesma hora, o logotipo que teria o meu restaurante no futuro. Coloquei este logotipo na capa da apostila “Receitas e histórico de pratos clássicos internacionais”, a qual foi minha primeira pesquisa na área gastronômica”.

Bons Estudos!

Leia Também:

Conheça melhor o champanhe

Receita de pernil com coca-cola

Como manter a paixão pelo que fazemos profissionalmente

Gostou? Então deixe o seu


 Comentário abaixo :-)

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Técnicas Gastronômicas - Como preparar lagostins

A minha forma predileta de preparar lagostins é apenas adicioná-los em água fervente salgada e cozinhá-los por dois minutos, acrescentando folhas de estragão ou anis-estrelado. Fica ótimo. Também, por vezes, acrescento pimenta-rosa, que harmoniza muito bem.

Entretanto, antes de cozinhá-los, há o trabalho de prepará-los, o que envolve técnicas gastronômicas específicas, que vou apresentar na sequência:

Vamos lá:
  1. Para facilitar a retirada da casca, é melhor escaldá-los antes. Se forem descascados crus, é preciso ter muito cuidado para não arrancar a carne junto. Para isso, pressione a parte inferior do lagostim, de modo que a casca do rabinho se solte. Continue a desprender a casca com as mãos. 

2. Com uma faca afiada, faça um corte superficial no dorso.

3. Retire a tripinha, puxando-a com a mão ou com um palito.

Seus lagostins estão prontos para serem preparados de acordo com sua receita predileta.

Se você leu o Livro "À procura da felicidade", deve saber que quando tive meu insight e minha visão de futuro, vendo-me trabalhando com gastronomia até o resto de minha vida, descobrindo, portanto, meu talento, dei início a pesquisas sobre o tema e criei uma série de “Apostilas” que foram meus primeiros estudos sobre gastronomia. 

Pois bem! Este E-Book é a "Apostila Coquetéis", a qual fala, obviamente, sobre “Coquetéis”. A apostila contêm o teor original de quando foi criada por mim em meu início de carreira, incluindo a capa, que apresenta o logotipo que teria meu primeiro restaurante, mas que não foi utilizado, pois decidi mais tarde pelo nome “Dupaolo”, como descrito em meu livro.

Nesta Apostila você vai encontrar: 

Histórico e utilidade dos coquetéis;
Tipos de coquetéis;
Equipamentos necessários para preparar coquetéis;
Bebidas que podem ser utilizadas para preparar coquetéis;
Calorias das bebidas;
Decoração para o preparo de coquetéis;
Tipos de copos;
Coquetéis clássicos mais famosos;
Receita e história dos principais coquetéis oficiais.

Seja para você que deseja aprender para degustar em casa com seus amigos, ou para você que deseja se profissionalizar nesta área, este E-Book será um ótimo aliado para seu aperfeiçoamento! 


Esta série de Info-Produtos é composta pelas seguintes apostilas:

Propriedades dos Alimentos II, dando um total de treze apostilas.

Leia Também: 

Como preparar mariscos

Como o bacalhau se tornou conhecido no mundo

A importância da definição clara de um padrão de vida e rotina para atingir seus objetivos

Gostou? Então deixe o seu

 Comentário abaixo :-)


segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Churrascos - Receita de Picanha Recheada


INGREDIENTES
1 xícara (chá) suco de laranja
2 colheres (sopa) manteiga
1 xícara (chá) bacon em cubos
1 xícara (chá) sal grosso 


MODO DE PREPARO
Fazer uma bolsa e passar o suco por toda a peça e descansar por 4 horas. Rechear, untar e salgar. Assar ao forno com gordura para baixo 20 minutos. Virar por 10 minutos. Descansar fora 10 minutos. Assar com gordura para cima 5 minutos. Servir.


Hoje gostaria de indicar um info-produto de minha autoria. Trata-se da "Apostila Churrascos". 


Se você leu meu livro "À Procura da Felicidade", deve saber que quando tive meu insight e minha visão de futuro, vendo-me trabalhando com gastronomia até o resto de minha vida, descobrindo, portanto, meu talento, dei início a pesquisas sobre o tema e criei uma série de “Apostilas” que foram meus primeiros estudos sobre gastronomia.

Pois bem! Este E-Book é uma destas apostilas, a qual fala sobre “Churrascos”. Na minha opinião, um bom profissional precisa saber preparar tanto pratos sofisticados da cozinha internacional, como também pratos tradicionais locais ou rústicos como o churrasco dos gaúchos.

Nesta Apostila você vai encontrar:

Definição carne;
Principais tipos de carne;
Valor nutricional da carne;
Cuidados na compra;
Descrição dos cortes nobres;
As partes do boi; e

As seguintes receitas de churrascos:

Picanha recheada;
Panceta grelhada;
Picanha nobre;
Costela de ripa no bafo;
Paleta recheada;
Cordeiro no espeto;
Chuleta na grelha;
Fraudinha no alho;
Salmão grelhado com purê de peras;
Drummets e tulipas com limão e mel;
Capa de filé ao vinho e suco de laranja;
Lombo de porco;
Tender com manteiga e mel;
Costelinha suína ao conhaque;
Pernil com coca-cola;
Peito de chester grelhado;
Tainha recheada com farofa de vôngole;
Sardinha na brasa;
Coxas embebedadas;
Matambre recheado;
Bisteca de porco grelhada;
Rabada ao forno no celofane;
Espeto de carne moída com bacon;
Cupim recheado com bacon;
Costelão de leitão pururuca;
Leitão a pururuca;
Mero grelhado ao vinho branco;
Picanha de forno;
Músculo com bacon; e
Alcatra recheada.

Esta apostila vai lhe ajudar a fugir da mesmice quando o assunto for o churrasco do final de semana!


Esta série de Info-Produtos é composta pelas seguintes apostilas:

Propriedades dos Alimentos II, dando um total de treze apostilas.

Leia Também:



Gostou? Então deixe o seu


 Comentário abaixo :-)